Pokémon World Battle
Bem vindo ao Pokémon World Battle, bom jogo e não se esqueça de se inscrever. :]

O Retorno de Drácula

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O Retorno de Drácula

Mensagem por Lestrade em Sab Nov 26, 2011 12:27 pm

Kriegel em: O Retorno de Drácula.



Cidade de Millyan, dia 22/07, 17:00

O dia estava cinza. As nuvens cobriam totalmente o Sol que estava pronto pra se pôr e davam um aspecto melancólico à pequena cidade do interior inglês. As arvores sem folhas que formavam uma trilha balançavam com o forte vento e as folhas mortas que estavam espalhadas pelo chão são carregadas.Uma figura anda apressadamente por cima da estrada de terra, a noite logo chegaria e ela não podia ficar na rua até muito tarde, sabe do perigo que corria.

Aquela pessoa, mais precisamente uma mulher, estava coberta por um sobretudo marrom, com um lenço vermelho cobrindo todo seu cabelo e grandes óculos escuros. A cada minuto que passa ela aperta o passo, fugindo da escuridão que a noite trazia. O sol descia cada vez mais rapido, ela ja estava ficando desesperada. Uma sombra surge no inicio da trilha. Ela começa a correr, mas a sombra era mais rápida e se aproxima dela. Ele a alcança.

- Boa Noite! Poderia me dar uma informação?

- Não. Estou atrasada, preciso correr. O anoitecer se aproxima.

A mulher dispara em uma corrida frenética e some em meio às árvores.

- Será que todos aqui são assim?

Kriegel continuava com seu senso de humor. Usava uma camisa com mangas verde fosforecente e uma calça branca, cores que contrastavam muito com o ambiente da cidade. Ele seguiu o caminho por mais 15 minutos até chegar numa pequena vila onde vai direto para pousada, passando antes pela praça central. A pousada era simples, uma cabana de madeira mas bem aconchegante. O interior continha um sofá em frente a uma lareira com um tapete bem felpudo a frente e um pequeno balcão com uma porta e com uma escada à esquerda. Ele se aproxima do balcão, andando pelo piso de carvalho e toca a sineta requisitando atendimento. Um homem com aparência estranha, de terno sai da porta.

- Boa Noite Cavalheiro. - Ele cumprimenta

- Boa Noite, vocês teriam um quarto disponivel?

- Sim, o quarto 11 está vago.

- Eu vou ficar com ele.

Ao dizer essa frase, o homem o entrega a chave do quarto e aponta a escada para que ele suba. Após subir alguns lances de escada em fim acha a porta do quarto que alugara e entra. Era um quarto simples tambem, com uma decoração parecida com a da sala, um sofá, um tapete, lareira e a cama. A janela tinha uma bela vista para a trilha, o que seria de grande ajuda para seu trabalho.

Há uma semana uma reportagem do jornal chamou a atenção do Caçador do Sobrenatural. Ele se senta na cama e retira da sua bolsa um recorte com o titulo " Morta com Dois Furos no Pescoço". Esse titulo fazia referência à jovem Elizabeth Fix, que foi encontrada morta na praça da cidade em que ele se encontra agora. Decide deixar as coisas e sair para investigar os moradores. Sai do quarto, sem esquecer de sua estaca de madeira, um martelo e uma espada bem afiada. Após descer novamente as escadas, ele encontra falando com o homem do balcão aquela mulher que fugiu dele. Os dois param a conversa imediatamente e o atendente do balcão entra na porta. A mulher ia se retirando quando Kriegel chama sua atenção:

- Ei, a senhora poderia vir aqui um instante?

- O que eu ganharia com isso?

- Pode só vir aqui, por favor.

A mulher se aproxima e os dois se dirigem para o sofá em frente a lareira e se sentam.

- Desculpe minha esducação, meu nome é Kriegel.

- Oh... Meu nome é Aline FIx.

- Fix? A senhora por acaso seria parente de...

- Elizabeth? Sim, ela era minha prima.

- Hum... Meus pêsames pela morte dela. Sabe o que pode ter causado tamanho estrago no pescoço da menina?

- Que pergunta mais tola! O cádaver foi encontrado sem uma gota de sangue e com uma mordida horrenda no persoço. Agora me diga o senhor o que pode ter sido? Formigas, baratas? Vampiros é claro!

Ela respondia com a voz alterada, o assunto era delicado pra ela.

- Me desculpe... Eu sou um Caçador do Sobrenatural.

- Que Maravilha! Vai investigar esses malditos sangue-sugas?

Ela havia retirado os óculos e o lenço. Kriegel pode observar seus olhos com lágrimas.

- Sim, e prometo vingar sua prima.

- Abençoado sejas, senhor. Que Deus proteja sua vida

- Assim seja. Agora, com licença, preciso sair.

- A essa hora? Essas criaturas são covardes sir. Elas atacam em grupos.

- Deixe comigo. Até mais.

Nosso herói se levanta e sai da pousada. O Sol havia se posto e a noite se estabelecera soberana. A neblina que ocupava a cidade e a praça em que o corpo foi encontrado deixava tudo ainda mais assustador. Passa em frente a uma ou duas casas de luz acesa, mas uma chama a atenção. Era uma grande mansão, com várias estátuas de morcegos. O covil perfeito para um vampiro. Na frente, um alto muro e um portão majestoso impediam a entrada para uma averiguação mais detalhada. Que se dane o portão. Ele o escala com uma destreza impressionante e em poucos minutos está do outro lado .

Segue cuidadosamente pelo pequeno gramado es e aproxima da porta. Estava destrancada. Ao entrar, percebe que estava tudo escuro e que vulto se mechem na escuridão. Um deles salta em sua direção, mas é abatido por um rápido golpe da espada afiada que Kriegel sacara. Mesmo depois de decepar a cabeça daquele ser a espada continua limpa. Uma caracteristica dos vampiros é não ter sangue.

Continua adentrando pela residência, quando encontra a entrada do porão fechada por correntes. Ele consegue as arrombar depois de um tempo e entra. A sala estava escura, mas ao chegar no meio velas se acendem. Ele estava cercado por 5 vampiros e 1 deles era o Rei. Drácula em pessoa, havia retornado do Inferno, lugar onde estava trancada sua alma amaldiçoada. Ele estava com uma aparência jovem, cabelo arrepiado, uma jaqueta preta, camisa branca, calças Jeans e Tênis e seus olhos estavam vermelhos, brilhando intensamente. Parecia muito mais jovem do que realmente era, Kriegel não sabia o por que. Kriegel se surpreende com tal presença. O que o bam bam bam dos vampiros estaria fazendo uma pequena cidade da Inglaterra?

- Surpreso, não?

- Admito que sim.

- Eu estava fraco. Precisava de sangue para conseguir recuperar meus poderes. Achava que nesse fim de mundo não fosse chamar sua atenção. Mas, pelo visto...

- Não vou descançar em quanto criaturas despreziveis como você estiverem fazendo vitimar indefesas por todo o mundo.

- Ou em quanto estiver vivo. Ataquem!

Os quatro Vampiros partem pra cima do caçador, que é obrigado a se defender.

- Ahhh!

Um daqueles seres havia ferido o braço de Kriegel e estragado sua camisa.

- É só o começo.

O vampiro lambia suas garras sujas de sangue

- Você vai pagar!

Kriegel salta em cima do inimigo e corta um braço e a perna dele.

- Agora, prove disso!

Em um golpe tremendo ele corta cabeça do vampiro e crava a espada em seu coração. Foram 1, faltam 3. Dois vampiros que sobraram correm em direção a Kriegel, que desvia e faz com que eles se acertem.

- Vez de vocês!

Novamente ele crava a espada no peito dos dois vampiros e corta a cabeça. Esse era o método mais eficaz de se matar vampiros, decepando a cabeça e perfurando o coração. Foram 3, falta 1. Kriegel fuzila o vampiro com os olhos, que estremesse e vai para o canto da sala.

- Agora fica com medinho, é?

Dessa vez ele resolve brincar um pouco com o inimigo. Vai se aproximando lentamente, acariciando a espada, fazendo com que ele vá se distanciando, fugindo de medo.

- Mariquinha.

Num lançamento certeiro ele acerta o pescoço do vampiro com a espada e ao se aproximar acerta um soco tão forte na caixa toráxica do monstro que faz com que uma costela perfure o coração.

- Prove a Vitamina P, de Punho.

O corpo do vampiro cai. Estava morto pela segunda vez, sem reviver. Ele olha pra Drácula.

- Sua vez!

- Será mesmo?

Drácula lança seu peso pra cima de Kriegel e acerta um soco monstruoso que o joga contra a parede.

- Maldito!

Kriegel pocesso pela raiva começa a desferir socos em Drácula, uns acertam, outros não. Era impressionante a força desse mortal quando estava com raiva. Os dois param por um minuto bufando. Logo depois a batalha recomessa. Kriegel tenta acertar chutes, em quanto se defende dos golpes do oponente. Eles ficavam mais feridos pouco a pouco e o caçador ja sangrava. Drácula aproveitava o soco que levava para lamber o sangue dos ferimentos nas mãos de Kriegel e recuperar um pouco das forças, em quanto Kriegel só se cansava cada vez mais. Em fim um golpe do mortal surge efeito na criatura das sombras e ela cai. Kriegel havia acertado o nariz, um dos pontos fracos de Drácula.

- Se... se afaste... de mim sua criatura... podre.

- Oh, qual o problema?

Kriegel se aproximava andando, ou melhor, se arrastando em dirção a Drácula em quanto este engatinhava para longe, ainda tonto. O herói chega perto e acerta o rosto de Drácula com vários chutes.

- Prove da minha estaca de madeira, demônio.

Kriegel crava a estaca de madeira no peito de drácula. Era a única arma que surtia efeito no Rei dos vampiros. Ele começa a parar de se mecher, até receber o golpe final da espada de Kriegel. Ele corta a cabeça e está feito. Morre ali, naquela pequena Vila uma Lenda.

Com as forças que ainda lhe restam ele se arrasta pela cidade com a espada em uma mão e a cabela de Drácula na outra até chegar à pousada. La chegando, encontra Aline e o atendente da pousada abraçados em frente à lareira. Ela estava apreensiva e ele só olhava para o fogo ardente pensativo. Kriegel entra e com o barulho da porta os dois se viram e encontram ele praticamente desmaiado com a cabeça de um ser na mão.

- O que houve?

Dizia ela com sua voz trêmula.

- Eu... eu a vinguei. Ela conhecia ele?

Ele diz em quanto erguia e mostravava face do vampiro.

- Sim, ele era namorado dela. Ele sumiu por um tempo e voltou faz 1 semana, um dia antes da morte dela ela disse que ia sair com ele.

- Muita coincidência, não? Ah.. É por isso que ele estava com uma aparência mais jovem, para conquistar Elizabeth.

- É... A policia não fez nada, pois todos estavam com medo do que aconteceu.

- Pronto, missão cumprida. A propósito, quem é o cavalheiro?

Dizia ele se refirindo pro homem que ainda estava sentado no sofá da lareira.

- O nome dele é Maxwell Fix, e é meu pai, tio da Elizabeth.

- Oh... Eu pensei que...

- Que éramos namorados? Não, imagina, tenho apenas 26 anos e meu pai tem 57 anos. Não notou a diferença de idade na nossa aparência?

- Pra falar a verdade, não.

- Está me chamando de velha?

Nesse momento Krieger cai exausto. Podia ser mais uma de suas artimanhas para evitar a discussão com a bela mulher. Ele sabe o quanto as mulheres ligam para essa coisa de idade. Maxwell levanta do sofá e ajuda a coloca-lo no quarto para passar a noite. Esse era o fim dessa Aventura.


_____________________________________________

Ok, ok. Mais uma Oneshot Lixosa pra minha coleção de 2 -qn

Comentem Povo, Comentem @w@




Sou Fan:

Cunhadinha Fofinha x3


Milady <33


Eu não sei o que eu seria sem mim mesmo -q É meu fan? Então usaê o/
avatar
Lestrade

Mensagens : 79
Reputação : -8
Data de inscrição : 30/09/2011
Idade : 18

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum